Menu fechado

Lógica de argumentação: analogias, inferências, deduções e conclusões

APOSTILA CRM-MS 2020

APOSTILA CÂMARA DE ARACAJU-SE 2020

10 DICAS DE COMO ESTUDAR E APRENDER

10 DICAS PARA PASSAR EM UM CONCURSO PÚBLICO

COMO ESTUDAR COM SONO

Lógica de argumentação: analogias, inferências, deduções e conclusões

 

Lógica da argumentação

A lógica é como pensamos sobre o que sabemos, ou pelo menos, achamos que sabemos.

A argumentação é como usamos nosso raciocínio para tentar convencer alguém sobre algo que acreditamos estar correto. Esta argumentação para fazer sentido tem que estar baseado em informações disponíveis e preferencialmente sobre dados corretos.

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

A lógica de Argumentação é a proposição (premissas) do raciocínio lógico, ou seja, é baseada no que pode ser verdadeiro ou falso. Estas premissas têm uma explicação lógica para que possamos concluir algo.

Analogias

Este raciocínio faz comparações (semelhanças) entre casos conhecidos com desconhecidos.

Ela defende que existe alguma semelhança entre as proposições.

É uma premissa parcial que nos leva a uma outra premissa que nos deve dar informações para que cheguemos a uma conclusão. Estas premissas têm que ser verdadeiras.

Exemplos:

Todos os animais são irracionais

Todas os coelhos são animais

Conclusão: todas os coelhos são irracionais

 

QUESTÃO DE CONCURSO

Ano: 2016 Banca: CESPE / CEBRASPE Órgão: FUNPRESP-EXE

 

Acerca dos argumentos racionais, julgue o item a seguir.

No diálogo a seguir, a resposta de B é fundamentada em um raciocínio por analogia.

A: O que eu faço para ser rico assim como você?

B: Como você sabe, eu não nasci rico. Eu alcancei o padrão de vida que tenho hoje trabalhando muito duro. Logo, você também conseguirá ter esse padrão de vida trabalhando muito duro.

Certo

Errado

Como vimos anteriormente o raciocínio por analogia faz comparações (semelhanças) entre casos conhecidos com desconhecidos.

No raciocínio por analogia, comparamos uma situação conhecida com uma desconhecida. A analogia é utilizada para “concluir” algo a partir de uma situação anterior. Agora analisando a questão, temos:

A: O que eu faço para ser rico assim como você?

B: Como você sabe, eu não nasci rico. Eu alcancei o padrão de vida que tenho hoje trabalhando muito duro.

Conclusão: Logo, você também conseguirá ter esse padrão de vida trabalhando muito duro.

Podemos ver que A não é rico e B não nasceu rico, mas B trabalhou muito duro para ser rico.

Usando o raciocínio por analogia chegamos a conclusão que se A trabalhar muito duro ficará rico como B.

RESPOSTA DA QUESTÃO: CORRETO

Inferências:

Inferência é a ação de inferir, ou seja, deduzir algo tirando uma conclusão. É um método que parte de uma ou mais premissas para achar novas proposições. Se a inferência for válida, significa que a nova proposição foi

Inferência: é o processo a partir de uma ou mais premissas se chegar a novas proposições. Quando a inferência é dada como válida, significa que a nova proposição pode ser utilizada em outras inferências.

Partindo de algumas hipóteses podemos inferir uma conclusão.

APOSTILA CRM-MS 2020

APOSTILA CÂMARA DE ARACAJU-SE 2020

10 DICAS DE COMO ESTUDAR E APRENDER

10 DICAS PARA PASSAR EM UM CONCURSO PÚBLICO

COMO ESTUDAR COM SONO

Silogismo: É fundamental para a inferência. É uma maneira de deduzir que é formada por duas premissas (proposições) e uma conclusão. Você chega a uma conclusão através da dedução de informações contidas nas duas premissas.

Nem todas as inferências oferecem conclusões verdadeiras.

Por exemplo: Podemos afirmar que todos as zebras são animais de quatro patas, mas não se pode inferir que todos os animais de quatro patas são zebras.

Quanto mais características tenha a premissa, maior é a chance de inferir corretamente.

Se perguntarem para você qual é o animal de quatro patas que tem listras, você poderá inferir com uma margem maior de acerto que pode ser uma zebra.

Regras de inferências

Modus Ponens (MP)

Modus Tollens (MT)

1ª premissa: p → q

premissa: p ( premissa é verdadeira)

Conclusão: q

1ª premissa: p → q

2ª premissa: ~q (negando a 2ª premissa)

Conclusão: ~p

Ex.:

Se eu não tiver aula, eu vou ao cinema

Se eu não tiver aula (premissa verdadeira)

Conclusão: logo, eu vou ao cinema

Ex.:

Se eu não tiver aula, eu vou ao cinema

Eu não fui ao cinema (negando a premissa)

Conclusão: logo, eu tive aula

 

Deduções e conclusões

Existem dois processos de raciocínio:

 

Dedução

A dedução parte de uma certeza (uma premissa universal) para poder chegar a uma conclusão, ou seja, ela vai do todo a uma parte. Ela parte de algo abrangente para descobrir uma verdade particular. Ele tem mais segurança na conclusão por que usa premissas já aceita pelas pessoas.

Ex.:

Pedro é natural de Belo Horizonte

Belo Horizonte é uma cidade de Minas Gerais

Quem nasce em Minas Gerais é mineiro

Logo, Pedro é mineiro

 

Indução

É o oposto da dedução, pois parte de casos particulares, buscando semelhanças entre eles para se definir uma premissa universal, ou seja, ela vai da parte ao todo.

Ex.: O cão da Maria tem rabo

O cão do João tem rabo

O cão do Pedro tem rabo

Todo cão é um animal

Logo, todo animal tem rabo

 

Conclusão

É uma proposição que tem a resposta final da inferência que foi baseada nas premissas dadas.

Normalmente ela começa com as expressões logo, por isso, portanto….

Dicas importantes:

 

Gran Curso Online: Milhares de videoaulas e PDF. 230 mil questões de concursos e com mais de 650 mil aprovados. Saiba porque recomendo!

 

Apostilas Opção: 26 anos no mercado, produzindo apostilas completas e atualizadas. Saiba por que recomendo! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *